Agora: Preferência Musical Com: Rafael Boller Agora: Preferência Musical Com: Rafael Boller

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Casamentos caíram pela metade no RS de 2015 para 2018, seguindo tendência nacional

Data da Noticia 09/01/2019
Crise econômica e mudança cultural sustentam queda em registros de cartórios.

Em acordo com tendência nacional, os gaúchos estão casando, morrendo e nascendo menos nos últimos quatro anos – e a maior queda é nos matrimônios. Em 2018, a taxa de uniões registradas em cartório a cada 1 mil habitantes no Rio Grande do Sul foi de 2,2, quase metade do índice registrado em 2015, de 4.

A análise de GaúchaZH é um cruzamento dos registros de 2015 a 2018 de todos os cartórios gaúchos, fornecidos pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen), e da população estimada do país e de cada um dos 497 municípios gaúchos ano a ano, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Algumas cidades não constam na análise porque não têm cartório – nesses casos, a população se dirige a uma localidade vizinha.

Em 2015, cartórios espalhados pelo Rio Grande do Sul registraram 45,7 mil casamentos homo e heteroafetivos para uma população de 11,2 milhões (quatro a cada 1 mil habitantes). Ano após ano, as celebrações de amor perante o Estado diminuíram, apesar de a população aumentar. Em 2018, para 11,3 milhões habitantes, foram 25,1 mil uniões em cartório (2,2). 

No Brasil, apesar do crescimento da população, os matrimônios também ficaram mais escassos a cada ano, ainda que de forma mais lenta. Em 2015, houve 1,1 milhão de casamentos para 205,4 milhões de habitantes (5,5 cada 1 mil habitantes). Em 2018, foram 781,4 mil celebrações para 208,4 milhões de pessoas (3,7).

— Em 2002, quando entrou o novo Código Civil, viu-se que a união estável vale tanto quanto o casamento. Elas então começaram a aumentar e os casamentos, a diminuir. Outra questão é cultural: há novos modelos de família e, para muitos, a união estável é o suficiente para montar uma família — analisa Arieste Schnorr, presidente da Arpen no Rio Grande do Sul.

Marcos Winck, ex-economista da Fundação de Economia e Estatística (FEE) e hoje professor da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), sugere que a queda nos matrimônios também ocorre como consequência da crise econômica:

— Em anos de crise, por mais que os casais se juntem, no fim não fazem festa de casamento, nem se inscrevem no cartório. Não é que haja um número menor de uniões, mas a crise econômica desincentivou as pessoas a formalizá-las.

As cidades mais casamenteiras do RS

  • Ibiaçá: 10,38 pessoas a cada 1 mil habitantes
  • Jari: 8,81 pessoas a cada 1 mil habitantes
  • São Valentim: 6,88 pessoas a cada 1 mil habitantes
  • Cerro Branco: 6,63 pessoas a cada 1 mil habitantes
  • Rodeio Bonito: 6,48 pessoas a cada 1 mil habitantes

As cidades menos casamenteiras do RS

  • Carazinho: 0,08 pessoas a cada 1 mil habitantes
  • Cacequi: 0,16 pessoa a cada 1 mil habitantes
  • Piratini: 0,24 pessoa a cada 1 mil habitantes
  • Uruguaiana: 0,29 pessoa a cada 1 mil habitantes
  • Chuí: 0,30 pessoa a cada 1 mil habitantes

A cidade com maior aumento de casamentos de 2017 para 2018:

  • Cachoeira do Sul: +1.522%, passando de três registros para 47

 

  • Autor: Jornal Boa Vista
  • Imagens: Ilustrativa

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!


Todas imagens