Agora: Show da Tarde Com: Rosana Dallagnol Agora: Show da Tarde Com: Rosana Dallagnol

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Versão sem retoques de 'O diário de Anne Frank' é publicada pela 1ª vez

Data da Noticia 11/05/2019
Nova edição inclui primeiros textos escritos pela autora, sem correções feitas por seu pai. Obra é considerada um dos principais documentos da época do Holocausto.

"O diário de Anne Frank", um dos principais documentos da época do Holocausto, teve a versão original publicada pela primeira vez, sem correções e retoques feitos pela própria autora e por seu pai.

Frank, cujo diário foi declarado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) patrimônio da humanidade, morreu em 1945 no campo de concentração de Bergen-Belsen. Ela deixou duas versões de seu diário.

A primeira, que é chamada agora de versão A, começou a escrever espontaneamente, enquanto sua família estava escondida dos nazistas em Amsterdã.

Depois, após escutar em uma rádio uma chamada para documentar o sofrimento dos judeus holandeses, ela reescreveu parcialmente o texto, com a esperança de vê-lo publicado depois da guerra, o que resultou na chamada versão B.

Frank tinha o sonho de ser escritora. Depois de sua morte, seu pai preparou uma terceira versão, na qual optou por eliminar passagens que tinham a ver com as crises típicas da puberdade. A nova edição, publicada neste sábado (11), inclui as versões A e B.

Documento histórico

"O diário de Anne Frank", escrito originalmente em holandês, foi traduzido para dezenas de idiomas e é considerado um dos principais documentos da época nazista.

A autora nasceu em Frankfurt, em 12 de junho de 1929, no seio de uma família judia que em 1934 foi embora para a Holanda fugindo dos nazistas.

Em 1940, os nazistas invadiram a Holanda e, em 1942, intensificaram a perseguição à população judaica, o que obrigou os Frank a se esconderem em uma casa junto com outros perseguidos. Eles permaneceram lá por dois anos.

O diário começa em 12 de junho de 1942, quando a menina completou 13 anos. "Espero que te possa confiar tudo a ti; o que, até agora, nunca pude fazer a ninguém", diz a primeira anotação.

A última anotação é de 1º de agosto de 1944, três dias antes de os nazistas descobrirem o esconderijo e deterem a família Frank e os outros judeus.

O diário ficou em Amsterdã e foi conservado por dois funcionários de Otto Frank, pai da autora, a quem lhe entregariam as anotações depois da guerra.

Anne Frank morreu em março de 1945. Poucas semanas depois, o campo de concentração de Bergen Belsen foi libertado pelos britânicos.

Das oito pessoas que foram detidas na residência de Frank, seu pai foi o único que sobreviveu ao cativeiro.

  • Autor: Portal G1
  • Imagens: DESK/ANP/AF

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!


Todas imagens