Agora: Voz do Brasil Com: Programação Automática Agora: Voz do Brasil Com: Programação Automática

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Inflação oficial renova recorde e tem menor nível em 22 anos, diz IBGE.

Data da Noticia 10/06/2020
Queda no preço dos combustíveis, principalmente da gasolina, puxou o resultado de maio.

A inflação oficial renovou o recorde de abril e atingiu o menor patamar em 22 anos no mês de maio, de acordo com o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), divulgado nesta quarta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador teve deflação de 0,38%. Em agosto de 1998, o índice atingiu o patamar de -0,51%. 

A queda nos preços dos itens de Transportes foi o principal impacto negativo de maio em comparação à inflação de abril (-0,31%), puxado fortemente pelos combustíveis mais baratos. 

O gerente da pesquisa, Pedro Kislanov, afirma que “a gasolina é o principal subitem em termos de peso dentro do IPCA e, caindo 4,35%, acabou puxando o resultado dos transportes para baixo, assim como as passagens aéreas, que tiveram uma queda de 27,14% e foram a segunda maior contribuição negativa no IPCA de maio”.

Além da queda no preço da gasolina, o etanol seguiu o mesmo movimento, com variação de -5,96% em maio frente aos -13,51% de abril, enquanto o óleo diesel (-6,44%) apresentou resultado próximo ao do mês passado (-6,09%). 

O grupo de Alimentação e bebidas (0,24%) desacelerou em relação a abril (1,79%), com recuo dos preços da cenoura (-14,95%) e das frutas (-2,10%). Já a cebola (30,08%), a batata-inglesa (16,39%) e o feijão carioca (8,66%) ficaram mais caros para os brasileiros em maio. As carnes subiram 0,05%, após quatro meses consecutivos de queda.

O preço dos artigos de residência (0,58%) também ficou mais caro, sofrendo impacto do câmbio. "Esse aumento pode ter relação com o dólar, com o efeito pass-through, quando a mudança no câmbio impacta os preços na economia. E artigos eletrônicos normalmente são mais afetados porque têm muito componentes importados. Então a desvalorização do real acaba impactando o preço desses produtos também”, afirma Kislanov. 

Em maio, os preços dos eletrodomésticos e equipamentos aumentaram 1,98%, enquanto os de mobiliário caíram 3,17%. O índice acumula queda de 0,16% de janeiro a maio deste ano.



Todas imagens
  • Autor: Correio do Povo
  • Imagens: Ilustrativa

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!