Agora: Violada Sertaneja Com: Ranieri Agora: Violada Sertaneja Com: Ranieri

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Brasil terá nanossatélite para conectar áreas remotas do país.

Data da Noticia 09/10/2020
Inicialmente orçado em R$ 1,6 milhão, o investimento no o nanossatélite poderá quase dobrar até que esteja pronto.

Um corpo metálico com cerca de três quilos de massa que está sendo construído num laboratório da Universidade de Brasília (UnB) subirá 500 quilômetros até o fim do próximo ano com uma missão: conectar áreas remotas do País. O Alfa Crux 1 é um nanossatélite em formato de cubo que permitirá a transmissão de dados e voz em áreas que hoje não são atendidas, o que poderá inclusive auxiliar no tratamento remoto contra a covid-19 nas regiões mais isoladas do País.

"O foco dele é estabelecer um sistema para atender comunicação prática e aplicação em internet de coisas, em geral para cenários mais adversos devido ao relevo, regiões com vários obstáculos ou que apresentem dificuldade de comunicação, como em áreas de mata densa", explica Renato Borges, professor da UnB e um dos responsáveis pelo projeto.

O projeto da UnB conta com recursos da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF). Inicialmente, foi orçado em R$ 1,6 milhão, mas o investimento poderá quase dobrar até que o nanossatélite esteja pronto para ser lançado.

Quando ficar pronto - a previsão é o último trimestre de 2021 - o Alfa Crux 1 irá pegar carona num foguete e será lançado a 500 quilômetros de altitude. O satélite tem previsão de ficar em órbita por dois anos, período em que terá como missão transmitir dados a partir de uma banda estreita - espécie de internet de baixa velocidade, mas que não afeta em nada seu propósito.



Todas imagens
  • Autor: Correio do Povo
  • Imagens: UnB

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!