Agora: Panorama Geral Com: Rafael Boller Agora: Panorama Geral Com: Rafael Boller

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Música d’O Rappa tenta demonstrar como a rotina afeta a vida do povo brasileiro

Data da Noticia 30/01/2017

Hoje trazemos a análise da música “O que Sobrou do Céu”, da banda O Rappa. A obra retrata a falta de luz em um dia da semana de um brasileiro comum, que depende da energia elétrica pra realizar suas tarefas diárias. A compreensão da letra é simples, porém achamos interessante retratá-la.

 

Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala

Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia

 

A música inicia situando o ouvinte no tempo e espaço dela. Um dia sem luz, em que brasileiro não pode assistir televisão, mas mesmo assim continua olhando para a mesma, e se depara com a luz do sol refletindo coisas que esta pessoa não percebia ao seu redor.

 

Faltou luz mas era dia

Faltou luz mas era dia, dia, dia

 

O som das crianças brincando nas ruas

Como se fosse um quintal

A cerveja gelada na esquina

Como se espantasse o mal

 

Neste momento a pessoa retratada na música começa a ver e ouvir o que não percebia quando dedicava todo seu tempo ao ócio. Coisas retratadas como as crianças brincando nas ruas e a cerveja no bar da esquina.

O autor trouxe a mensagem que, as crianças de certa forma também estavam acomodadas com o perigo da rua, já que faziam dela o seu quintal, e compreende-se o quintal um local de segurança. Outro ponto é que as pessoas do bar, faziam do álcool a solução para todos os males, não procurando então, solucionar seus problemas da forma correta, “como se espantasse o mal”.

 

Um chá pra curar esta azia

Um bom chá pra curar esta azia

Todas as ciências de baixa tecnologia

Todas as cores escondidas nas nuvens da rotina

 

O autor retrata a rotina como algo que deixa o dia nublado, e então cega a visão das coisas que o cercam. E após perceber tudo o que esta pessoa perdeu, enquanto distraia-se com a rotina, ela sente um mal-estar e recorre a ao chá, que é um tipo de ciência, pois possui propriedades curativas, porém o chá é um tipo de ciência acessível a todo mundo, pois não precisa de tecnologia para ser formulado, e por isto, é negligenciado por parte dos cidadãos que preferem acreditar no poder curativo dos produtos industrializados, conhecidos como remédios, e deixam o chá de lado, muitas vezes se referindo ao mesmo como “coisas de velhos”.

 

Pra gente ver

 Por entre prédios e nós

Pra gente ver

O que sobrou do céu

 

            Está no subconsciente do povo brasileiro, a ideia de que todas as coisas boas vem do céu, e a pessoa da música acaba percebendo isto quando acabou a energia elétrica da sua casa, e ela então imagina que no meio da rotina, no meio da conformidade existem coisas a serem notadas, coisas que não percebemos no dia a dia. Estas coisas estão entre os prédios e nós, pois só olhamos para o desenvolvimento retratado por prédios e construções, mas esquecemos de olhar ao nosso redor, para ver o que está acontecendo com o próximo, com nossa família, com os animais que estão se extinguindo ante o desenvolvimento humano.

            A música mostra que todos estamos focados na rotina, seja vendo televisão, conversando pelo celular, ou disfarçando problemas com o entorpecimento proporcionado pelo álcool, de certa forma, ninguém escapa da rotina. Porém, em algum momento, uma pessoa pode parar com sua rotina, para olhar ao redor e perceber, que coisas boas sempre acontecem ao seu redor, porém muitas vezes passam despercebidas.

 

João Dalbosco. 24 anos, estudante de história, músico e amante da literatura.

 



Todas imagens
  • Autor: João Dalbosco
  • Imagens: Internet

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!