Agora: Raízes do Sul Com: Programação Automática Agora: Raízes do Sul Com: Programação Automática

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Em um ano, número de brasileiros sem ter o que comer passa de 19,1 milhões para 33,1 milhões

Data da Noticia 08/06/2022
Cerca de 15,5% da população, o equivalente a 33,1 milhões de pessoas, enfrentam insegurança alimentar no Brasil, diz Vigisan.

A insegurança alimentar ganhou novas formas com a pandemia do novo coronavírus. No intervalo de um ano, o número de brasileiros que passam fome saltou 73,3%, de 19,1 milhões para 33,1 milhões, segundo dados apresentados pela segunda edição da pesquisa Vigisan. O estudo aponta para a maior proporção das famílias com renda inferior a um salário mínimo em situação grave de insegurança alimentar, especialmente entre aquelas que recebem até 25% do salário mínimo per capta, o equivalente a R$ 303. Entre elas, 43% convivem com a fome, o dobro do percentual apurado ao fim de 2020.

A situação também é grave entre os lares afetados pelo desemprego, assim como naquelas que recorreram ao endividamento, à venda de bens, ao corte de despesas essenciais ou não essenciais, ou ainda nas famílias em que alguém teve que abandonar os estudos. Conforme o levantamento, 14,3% dos domicílios tinha pelo menos um morador em busca de emprego, e em 8,2% dos lares, a pessoa responsável pela família estava desempregada no período de coleta da pesquisa.

De acordo com os pesquisadores, as evidências "revelam um preocupante agravamento da insegurança alimentar em um contingente expressivo da população brasileira, iniciado pela crise econômica e desestruturação de políticas públicas nacionais, desde 2016, e acentuado pela pandemia de Covid-19, que continuava a se propagar".

Diante da crise sanitária que assolou o país a partir do início de 2020, o agravamento da situação de insegurança alimentar a citado como fruto das dificuldades de recomposição das rendas do trabalho em emprego formal ou informal, de retomada de negócios e de atividades produtivas, em particular no meio rural. 

O estudo cita ainda a persistência de "opções governamentais negligentes, pautadas pelo falso dilema entre economia e saúde" como um dos agravantes para a evolução da fome no Brasil ao longo do último ano.

Norte

Na análise entre as regiões, as situações mais delicadas são encontradas no Norte e no Nordeste, que têm, respectivamente, 25,7% e 21% da população em situação de insegurança alimentar grave. Nas regiões Sul (9,9%), Sudeste (13,1%) e Centro-Oeste (11,7%), o nível não alcança os 15%, média nacional. "Embora os números indiquem a precarização das condições alimentares para o conjunto do país, os traços do empobrecimento e das estratégias de sobrevivência das famílias se manifestam desigualmente entre as regiões", destaca a pesquisa.

O agravamento da situação é também assolador pelas famílias afetadas pela combinação de falta de alimentos e insegurança hídrica, sem elementos mais vitais da existência humana. Segundo o estudo, 42% dos lares que enfrentam a situação estão também sujeitas à fome.

A pesquisa, entitulada Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, foi coordenada pela Rede PENSSAN (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional) e executada pelo Instituto Vox Populi.



Todas imagens
  • Autor: R7
  • Imagens: Photo by Pille R. Priske on Unsplash

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!