Agora: Preferência Musical Com: Rafael Boller Agora: Preferência Musical Com: Rafael Boller

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Pinhal

Data da Noticia 09/11/2016

Como já foi dito em algumas colunas passadas, Cidadão Quem foi uma banda porto alegrense dos anos 90, e teve como integrantes iniciais o Cau Hafner (Bateria) e os irmão Luciano (baixo) e Duca Leindecker (Voz e guitarra). Com a morte do baixista Luciano Leindecker em 2014, a banda anunciou seu fim.

O vocalista e letrista da banda, Eduardo Tavares Leindecker, decidiu ser músico aos 11 anos, após a perda do pai. Sem pai, Duca espelhava-se no seu irmão mais velho Adriano. Que acabou conhecendo uma menina na praia de Pinhal/RS, onde a família passava as férias de verão. Um dia antes do casamento de Adriano, prestes a ter sua segunda reestruturação familiar pois já havia perdido o pai, e agora seu irmão mais velho saía de casa para se casar, Duca escreve Pinhal, música que faz parte do terceiro disco da banda Cidadão quem, intitulado “Spermatozoom” (1998). No ano de 2000, a música foi regravada em parceria com Thedy Corrêa, vocalista do Nenhum de Nós, estando presente no álbum Soma (2000), da própria Cidadão Quem cuja a letra, em detalhes, você confere em seguida:

 

Foi no dia  

Em que eles se encontraram  

Na praia do pinhal  

Que ela olhou pra ele  

E disse baby  

Não me leve a mal

A música inicia justamente falando do encontro entre Adriano com sua futura esposa Adriane. Duca explica que os mesmos se conheceram na praia do pinhal, em um verão de férias escolares.

Ele sempre foi  

Um cara desses  

Que estuda demais  

Procurando encontrar  

A solução pra tudo  

Com muita paz

Como perdeu seu pai aos 8 anos de idade, Duca Leindecker passou a admirar seu irmão mais velho, que teve que tomar frente da família para se tornar o “pai” de seus irmãos. Por isso o autor bem detalhista relata as coisas que Adriano fazia com maior amor, como estudar.

E agora o Pinhal  

Não tem mais  

A gente lá  

Eu volto pra lembrar  

Que a gente cresceu  

Na beira do mar

A música marca a segunda mudança na vida e família de Eduardo (Duca), a primeira foi com a morte de seu pai, e a segunda, com a saída de seu irmão de casa. A música fala desta segunda mudança, de como isto impactou a vida do artista. Aqui, ela fala da família como um todo, pois sem o Adriano, que agora se casava, a família que era composta por 3 irmãos e a mãe não votaria mais para Pinhal para passar suas férias. As visitas à praia agora restringem-se ao próprio Duca voltando para relembrar o próprio passado.

Ela se formou  

Há pouco tempo  

E quem tocou na formatura  

Fui eu  

Ele faz meditação no parque  

A procura do seu eu

 

Quando tenho tempo  

Dou uma passada lá  

Pra ver como estão  

Se estou na Zona Norte  

Pego a Estrada do Forte  

Pro Meu irmão

Duca se refere a estas duas estrofes como um processo de crescimento, pois agora que não tem mais seu irmão mais velho, quem assume o papel de “homem da casa” é o próprio Duca. Com isto, acarretam-se as responsabilidades, as circunstâncias mudam, as pessoas ficam sem tempo para o lazer. Mas Duca, quando consegue um tempo para divertir-se logo vai à casa de seu irmão.

E agora o Pinhal  

Não tem mais  

A gente lá  

Eu volto pra lembrar  

Que a gente cresceu  

Na beira do mar

 

A letra é simples, mas carregada de sentidos pra quem conhece a trajetória do artista. É uma das músicas mais tocadas da banda Cidadão Quem, e está presente em 3, dos 7 álbuns da banda.

 

João Dalbosco. 24 anos, estudante de história, músico e amante da literatura.



Todas imagens
  • Autor: João Dalbosco
  • Imagens:

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!