Programação Automática Programação Automática

Central de Recados

Envie-nos seu recado ou peça sua música aqui!
Seu nome deve conter apenas letras!

Será que o governo é como nossa casa?

Data da Noticia 07/01/2020

Há algum tempo atrás o Ministro chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni, comentou que havia aprendido com sua avó como equilibrar as contas do lar e que iria seguir essa norma para, também, equilibrar as contas do Brasil. Mas será que isso mesmo? O país é como nossa casa? Assim como em nossos lares, o Estado tem que gastar menos que arrecada? Vejamos.

Primeiramente, acredito que o leitor não tem uma máquina que faça impressão de dinheiro oficial, somente o governo tem o poder de emitir moeda (qualquer outro tipo de emissão configura crime, como todo mundo sabe). Logo, já de cara, vemos uma grande diferença entre o Estado e nossas casas.

Em segundo lugar tudo que o governo investe retorna em parte para ele. Vejamos: se o governo paga o Bolsa Família a pessoa que recebe vai investir em alimentação, vestuário, etc. Ou ainda, pagou a bolsa de pesquisa, o estudante irá comprar livros, pagar o aluguel e afins. Mais ainda, se fizer uma obra a empresa que foi contratada irá pagar seus empregados e esses irão consumir. Sabendo que a maior parte dos impostos no Brasil incide sobre o consumo, uma grande parte desse dinheiro investido retorna em impostos para o governo. Ao contrário das nossas casas. Quando recebemos nosso salário e vamos ao mercado fazer compras, esse dinheiro não retorna de forma direta, ele é trocado por algum bem.

     Outro fator de suma importância é que uma família não tem como determinar o quanto vai ganhar. Ou seja, nosso salário é fixo, todo o mês a mesma quantia (exceto nos casos de horas extras ou trabalhos que se recebe por dia). Mas a grosso modo, eu não determino meu orçamento, já o governo pode. Por exemplo, se o Estado quiser aumentar suas receitas ele, por meio de leis, pode taxar grandes fortunas, atribuir imposto sobre os lucros e dividendos das empresas, cobrar imposto sobre grandes heranças e assim por diante. Tudo isso aumenta a receita do Estado. Pra resumir, o governo pode criar, aumentar ou diminuir impostos conforme achar necessário, estabelecendo assim a sua própria renda. No nosso lar é diferente. Temos um orçamento fixo e é com ele que temos que nos programar.

Para tanto, deixo aqui a entrevista do professor Eduardo Moreira com o professor Pedro Rossi da UNICAMP. Muito bem explicada e muito mais completa. A quem interessar, vale a pena investir trinta minutos de tempo.

https://www.youtube.com/watch?v=9bbWSP-dOO0

  • Autor: Adilson Piloto Junior
  • Imagens: Ilustrativa

Todo o conteúdo desta coluna é de total responsabilidade de seu autor(a)/publicador(a)!


Todas imagens